Publicado por: sidnei walter john | 31 de outubro de 2016

Evangelho do dia 02 de novembro quarta feira


02 – COMEMORAÇÃO DE FINADOS.

Aos caros falecidos, que terminaram no beijo do Senhor a sua jornada na terra, “luceat perpetua lux in Regno caelorum” brilhe a luz eterna no reino dos Céus. (L 278). SÃO JOSE MARELLO
02-nov-lucas-711-17
Leitura do santo Evangelho segundo São Lucas 7,11-17

Em seguida, Jesus foi para uma cidade chamada Naim. Os seus discípulos e uma grande multidão foram com ele. Quando ele estava chegando perto do portão da cidade, ia saindo um enterro. O defunto era filho único de uma viúva, e muita gente da cidade ia com ela. Quando o Senhor a viu, ficou com muita pena dela e disse:
– Não chore.
Então ele chegou mais perto e tocou no caixão. E os que o estavam carregando pararam. Então Jesus disse:
– Moço, eu ordeno a você: levante-se!
O moço sentou-se no caixão e começou a falar, e Jesus o entregou à mãe. Todos ficaram com muito medo e louvavam a Deus, dizendo:
– Que grande profeta apareceu entre nós! Deus veio salvar o seu povo!
Essas notícias a respeito de Jesus se espalharam por todo o país e pelas regiões vizinhas.
”  

Meditação:

Com a expressão “em seguida”, Lucas articula a cura do servo do centurião com esta cura do filho da viúva. Uma grande multidão com Jesus e seus discípulos aproxima-se de uma cidade amuralhada. Ao chegarem à porta, encontram outra grande multidão que sai da cidade para enterrar um morto. É a corrente da vida que vem inundar a cidade dos mortos.

Esta narrativa de milagre diferencia-se da cura do servo do centurião romano, que a antecede. No caso do centurião a cura do servo resultou da “tão grande fé” por ele manifestada.

O Evangelho de hoje nos oferece uma cena digna de um filme. Um grupo formado por Jesus, seus discípulos e a multidão que os segue entra numa cidade onde encontram um outro grupo, que acompanham um mulher viúva levando a enterrar seu filho único.

O encontro acontece às portas da cidade de Naim. O episódio coloca em destaque a trágica situação da mulher. Já era viúva, agora perde também o seu filho único e com ele a possibilidade de se sustentar, isto é, a sua própria vida agora fica em risco. Estamos perante uma situação deveras trágica e só mesmo a presença de Jesus poderá inverter o curso da situação.

A cena evoca outros episódios presentes no AT, como são os casos famosos de Elias e Eliseu (1Rs 17,17-24 e 2Rs 4,32-37). Viúvas e órfãos são categorias necessitadas que no AT reclamam atenção especial. O salmo 68,6 declara sobre Deus: “pai de órfãos, protetor de viúvas”.

Não é então de admirar a reação de Jesus quando encontra aquela situação. Jesus, o portador da vida, tem algo a oferecer para transformar aquela situação.

Ao ver a dor daquela mulher, o evangelho relata, que Jesus sentiu compaixão (o verbo grego dá um sentido visceral ao sentimento que Jesus nutre pela situação da viúva, não é algo superficial, mas lhe vem do interior).

Interessante é também o convite que Jesus faz à mulher: “não chores”, como se fosse possível para a mulher evitar o choro numa situação trágica como aquela, mas é já um antecipar daquilo que está para acontecer.

O gesto seguinte de Jesus é ainda mais “perigoso”, depois de pedir para uma mulher sofredora que não chore, agora Jesus vai tocar no corpo do morto.

Que mestre era aquele que não sabia que não devia tocar em corpos mortos? Não sabia que ficaria impuro ao tocar? Nada disso parece importar a Jesus, o que ele deseja é dar a vida.

As palavras de Jesus são decididas: “Jovem, eu te digo, levanta-te!” A resposta, do antes morto, também é decidida, imediatamente se levanta e começa a falar. O espanto apodera-se dos presentes! Não era para menos.

Diante da atitude de compaixão de Jesus, neste milagre de ressurreição, vemos a exclamação do povo: “Deus visitou o seu povo”. Jesus é “um grande profeta”, não apenas porque transmite a Palavra de Deus e anuncia o reino com palavras, mas sobretudo porque veio realizar o reino pela ressurreição, oferecendo a sua vida. O comentário do povo evoca a promessa de Dt 18,15, imediatamente lhe reconhecem o título de profeta.

Jesus veio criar, oferecer à humanidade a alegria de uma vida aberta com todo o sentido. Percebemos ainda todo o caráter de sinal presente no milagre.

A ressurreição do filho da viúva testemunha Jesus que há-de vir, cuja vida triunfa plenamente sobre a morte. Significa que para nós, hoje como então, Deus vai ao encontro de todos os que vivem sem esperança, para lhes oferecer vida, vida plena. Significa ainda que, seguindo Jesus, temos que ter em nós a mesma atitude, ir ao encontro daqueles que sofrem.

Assim, podemos viver a nossa vida como se fosse cortejo fúnebre, sem esperança, chorando, lamentando-se o tempo todo; ou então fazemos da nossa vida um caminho de esperança, de ressurreição, de transformação do choro e da morte em sentido de vida. A escolha é nossa! Mas como discípulos missionários de Jesus a escolha certa parece ficar clara qual é!

O milagre relatado neste texto, assim como o dos versículos anteriores, respondem à pergunta de João de Batista a Jesus: “és Tu que hás-de vir ou devemos esperar outro?” Jesus oferece a salvação (Lc 7,1-10) e mostra o verdadeiro triunfo da vida (Lc 7,11-17). Não é o relato em si que é o mais importante, mas o sentido que nos transmite.

“Devemos alimentar uma confiança tão grande que vá até ao milagre; uma confiança que nos torne audaciosos e até mesmo ‘prepotentes’. Deus não se ofende com isso”.

Que a meditação deste Evangelho nos ajude a termos sempre Fé e Confiança naquele que é o Senhor de nossas vidas.

Reflexão Apostólica:

O texto de hoje é caracterizado pela compaixão. Pois tudo nasce de um sentimento espontâneo do Senhor como homem mas senhor da vida.

Não é pedido, não exige a fé, é o Senhor que tem compaixão dos órfãos e é o que faz justiça às viúvas. E de repente Jesus levanta a voz para a viúva e diz: não chores.

O autor da vida usa o verbo no presente do imperativo para dizer que deve parar de chorar uma vez que não mais vai existir motivo para esse lamento e dor.

Quem tem Jesus, deixa de sofrer a morte. E os sofrimentos do tempo presente não têm nada haver com gloria que se ha-de revelar no final dos tempos quando tudo se consumar em todos, dirá São Paulo. Portanto, trata-se de uma palavra de consolação, que prepara uma intervenção, que evitará a causa do pranto.

No Evangelho de hoje, vemos como Jesus atua sem ser pedido, unicamente pela sua compaixão, como ser humano. Ter piedade dos que sofrem é um exercício aprovado pela atuação de Jesus até tal ponto que opera um milagre com poderes fora do comum. Oxalá esta seja a nossa atitude perante nossos irmãos!

Podemos dizer este Evangelho tem uma mensagem muito forte para quem está abatido, depressivo. Jesus sentiu compaixão da mãe viúva, que perdeu seu filho único, e trouxe o menino de volta à vida. Não foi uma ressurreição, foi uma reanimação. Este é um termo bem sugestivo…

Se você passou pela fase de adolescência já teve, no mínimo, uma crise de depressão. Grande parte das mulheres, pelo menos uma vez por mês sente aquela vontade de se isolar do mundo, que só quem passa por isso é quem sabe…

Quem já perdeu algo ou alguém que gostava muito… Quem nunca teve esse alguém… Quem se sente um nada, e acha que a sua presença não faz diferença no mundo… Quem já chegou até a pensar em tirar a própria vida por não ver mais sentido nessa vida…

A mensagem de Jesus é para você: “JOVEM, EU TE ORDENO, LEVANTA-TE!”

Jesus quer lhe devolver para a sua mãe, para o seu lar, para uma vida nova! Encare esse dia de hoje como sendo o primeiro dia de uma nova fase da sua vida. Jesus não está pedindo, Ele está ORDENANDO!

Qual é o pecado da sua vida? O que te prende ao que passou? Mude seu ponto de vista… Onde você vê apenas dificuldades e barreiras, passe a ver desafios, que devem ser encarados como oportunidades de crescer.

É normal que haja um tempo de adaptação e recolhimento após a perda de alguém importante… Às vezes é difícil sair de um buraco sozinho… e saber que você está lá, dando suporte, que vai saber ouvir e aconselhar, é tudo o que essa pessoa precisa…

Detalhe: ninguém pediu a Jesus que Ele reanimasse o jovem, a iniciativa foi dele. Quem está em depressão não costuma pedir ajuda, espera que a ajuda apareça…
Propósito:

Pai, torna-me sensível ao sofrimento e à dor de cada pessoa que encontro no meu caminho. Que a minha compaixão se demonstre com gestos concretos.

Meditação

O evangelho de hoje nos apresenta o episódio da ressurreição da viúva de Naim. O contexto literário do capítulo 7 de Lucas nos ajuda a entender este episódio.

O evangelista quer demonstrar que Jesus abre o caminho, revelando a novidade de Deus que nos é apresentada no anúncio da Boa Nova. E assim acontecem a transformação e a abertura: Jesus acolhe o pedido de um estrangeiro, um não judeu, aliás de um representante da nação opressora (Lc 7,1-10) e ressuscita o filho de uma viúva (Lc 7,11-17).

Nos detalhes, Lucas associa Jesus ao profeta Elias que, em cena bem semelhante, ressuscitara o filho de uma viúva em Sarepta.

Com o dom da vida eterna, Jesus supera o taumaturgo Elias. O “levantar-se” é a superação da morte. Depois de colocado no túmulo, Jesus “levantou-se”, em todas as narrativas dos evangelistas. O “levantar-se” de Jesus é traduzido por “ressuscitar”.

O evangelho fala sobre uma mulher, não diz o seu nome, apenas a cidade onde eles estavam. A palavra mostra que ela era uma viúva, e porque ela chora? Por conseqüências de todos os fatos que aconteceram, era viúva e agora também perde seu filho.

Ela já havia perdido o provedor, e agora perde o companheiro, aquele que ela cuidava, fazia alimentos, porque ela chora? Chorava porque estava sozinha, a solidão dói. Não tem coisa pior que viver só.

Ali estava uma grande multidão, essa viúva deveria ser muito querida e ter muitos amigos. Naquela época os amigos estavam presentes ou estavam ali por respeito à dor daquela mulher. O sentimento de respeito pela dor dos outros é muito importante, hoje tem muitas pessoas que não tem esse respeito sem sensibilidade pela dor dos outros.

Em anos anteriores quando passava o cortejo fúnebre, as pessoas paravam, o comércio fechava as portas. Mas nos dias atuais, tem pessoas que buzinam seus carros, apressando o cortejo, uma falta de sensibilidade total. Típico dos nossos homens, não se tem mais respeito pelo choro das pessoas.

Jesus é diferente, quando o Senhor vê a mulher chorando, para e muda a atmosfera daquele momento. Ele pára aquele funeral, um ato de amor, de alguém que para ao ver alguém chorando.

Hoje é bastante diferente as pessoas são capazes de dizer: Ele morreu é problema dele, ainda bem que não foi eu ou alguém da minha família, insensibilidade total.

Aquela mulher chorava, devia ela pensar: E agora fazer comida para quem, arrumar a casa para quem?

Existem muitas mulheres em solidão, choram porque são viúvas de maridos vivos. Viúva de marido vivo  é aquela que tem marido que fica em casa, fica vendo novela, futebol, e não fala nada, esquece de seus filhos, esposa, sem sensibilidade.

Mulheres viúvas de maridos vivos, que não conversam, não namoram, não tem prazer em nada. Não sabemos o que é pior ser viúva do marido morto, ou do marido vivo morto.

Existem homens que não olham nos olhos de suas mulheres, dormem em camas separadas, e ainda dizem que são modernos. Essas viúvas de maridos vivos também choram.

A palavra vai falar também dos viúvos, de mulheres vivas, aquelas mulheres fofoqueiras, briguentas etc. Esses homens também choram.

Como é duro ter uma  mulher que fala de mais, briga, fofoca, não gosta de cumprir a sua função, tornam homens viúvos. Esses homens também choram, porque não basta estar casados, precisam estar abençoados juntos, amados.

E assim a vida torna-se insuportável. Tem muitas pessoas chorando. Homens choram muito por dificuldades financeiras, desemprego. Para muitos homens não tem coisa pior quando as contas estão atrasadas ou aquelas dívidas que não conseguem pagar. Não tem coisa pior olhar para nossos filhos quando estão com fome. As pessoas choram e este choro é uma reação de todos nós.

Essa viúva deveria estar pensando porque o menino morreu, onde esta meu Deus?

Uma coisa que vem acompanhada do choro é a revolta. Têm muitos crentes, pessoas com dificuldades de conviver com as perdas.

O chorar esta ao alcance de todas as pessoas, como essa mulher viveu. Choram os homens diante das dificuldades, da família. Muitas das famílias têm mesa, mas não fazem suas refeições juntas. A coisa mais linda da família é comer todos juntos.

São tantos os motivos que levam as pessoas a chorar.

Muitas vezes choramos por nós mesmos, eu estou com dó de mim mesmo, da minha pessoa. Às vezes o sofrimento é tão grande que você chora por você mesma. Mas chorar não é desabafo é necessário.

Todos nós passamos por momentos difíceis, na perda uma pessoa querida essa dor é imensa, muito profunda. A gente chora e é preciso chorar.

Essa mulher estava chorando a perda do seu filho querido. Quando Jesus chegou e disse: Pára o funeral, o choro, e ai todos observavam o movimento do Senhor. Ele foi ao caixão colocou a mão no defunto, e tornou-se imundo por isso, porque os judeus não tocam em mortos.

Quando Jesus esta presente o funeral acaba, a presença do Senhor Jesus é a essência de tudo, o choro torna-se alegria.

Nós vamos para o Senhor porque o Senhor Jesus esta no céu e queremos estar com Ele. Quando Jesus está presente as coisas se alteram e o que faz mudar o céu do inferno na sua vida é essa presença.

O grande problema de chorar é que muitas pessoas não conseguimos sair da tristeza, se levantar, e ai não vivemos mais, a nossa vida passa a não ter mais alegria e você não consegue orar, ter comunhão com Deus, não consegue sorrir, não há mais motivação para vida.

Se chorar é algo humano, respeitado, mas é preciso saber que os mortos precisam ser enterrados. Isso quer dizer que as nossas dores devem ser enterradas, apagadas.

Devemos manter a memória, a lembrança, a história desse amado que foi embora. Mas você precisa continuar vivendo, se não apagar e enterrar não conseguirá viver.

Lembre-se das coisas agradáveis desse ente amado, e apaga as coisas ruins, perdoa se for preciso e guarda uma memora abençoada.

O enterrar os mortos, isso também quer dizer: Enterrar as suas lutas, os problemas que você tem, eles devem ser enterrados.

Tem pessoas que adoram ficar carregando caixão para cima e para baixo. Fica abrindo o caixão de dia e de noite, e ainda chora. Enterre esse defunto, na sua vida tem coisas que você ainda não enterrou.

Existem muitas pessoas traídas há vinte anos atrás, que não perdoou e ainda não enterrou o defunto (traição). Se você foi traído (a) trabalhe o teu coração para perdoar, toma outro caminho, faça alguma coisa, mas enterre essa história de uma vez por toda e continue a tua vida.

Você faliu, ou passou por dificuldades há trinta anos atrás, e porque ainda não enterrou? Porque você esta magoada, triste, mas deve enterrar esse defunto. Se alguém lhe enganou, pode chorar, mas deve levantar a cabeça, e enterrar o defunto.

Apesar de todas as dificuldades, lutas, seja feliz, e ame as pessoas com mesma alegria. Não perca a alegria de viver por causas dos problemas da vida.

Se o namorado (a) foi embora, você insistiu para ficar, mas ele não quer voltar então você vai morrer ou vai enterrar?
Entregue suas perda a Deus, e esqueça, e viva a sua vida, e seja feliz. Não fique chorando o resto da sua vida por abandono, atitude de desonra e sofrimento.

Quando Jesus esta no seu choro, o choro para. Quando a dor, o choro não para, porque é maligno, e o diabo quer acabar com você. Repreenda esse choro, e mande-o embora. Você precisa enterrar o morto. Enterrar – Significa curar, não fica nem cicatriz, apaga tudo. Não tenha medo de curar essa dor de esquecer esses problemas. Enterre o seu morto.

Você precisa enterrar o morto. A diferença do céu ou do inferno na sua vida é a presença de Jesus.

Enterre suas lutas passadas. Você vai ter luta sempre, a vida é sim ou não, você vai do choro a alegria, vai da dificuldade a facilidade, isso é algo definitivo na sua vida.

Tem pessoas que tem medo de ir ao médico com medo de um diagnóstico ruim. Se você esta em dificuldades, não desanime, busque a Deus de todo o seu coração e lute com todas as suas forças.

Não tenha medo de nada, enfrente todos os seus problemas, porque quando o Senhor é contido não em necessidade de ficar triste. Pare de chorar, enterre o morto.

Pode chorar pelas suas lutas, pelos seus problemas, mas antes de dizer Deus por quê?

Diga: Deus por onde? Quando o Senhor chega, e Ele chega e modifica tudo, onde existia tristeza agora tem alegria.

Não fique só chorando pelos problemas, vá atrás de soluções, lute o Senhor é contigo. Não fique pedindo orações, se você não toma atitude, e não enterra o morto. Enterre todos os seus problemas, e tenha em Deus força e alegria para continuar. Deus te abençoe!

Deus te deu 24 horas no dia, então reserve um tempo para ele, e seja abençoado!

Reflexão Apostólica:

Os gestos de Jesus encontram seu pleno sentido à luz de sua palavra. Ele veio para “levantar” a todos, libertando de toda escravidão e de toda humilhação, dando novo sentido à vida, na solidariedade fraterna e na comunhão com Deus.

O Evangelho de hoje tem uma mensagem muito forte para quem está abatido, depressivo. Jesus sentiu compaixão da mãe viúva, que perdeu seu filho único, e trouxe o menino de volta à vida. Não foi uma ressurreição, foi uma reanimação. Este é um termo bem sugestivo…

Se você passou pela fase de adolescência já teve, no mínimo, uma crise de depressão. Grande parte das mulheres, pelo menos uma vez por mês sente aquela vontade de se isolar do mundo, que só quem passa por isso é quem sabe… Quem já perdeu algo ou alguém que gostava muito… Quem nunca teve esse alguém… Quem se sente um nada, e acha que a sua presença não faz diferença no mundo… Quem já chegou até a pensar em tirar a própria vida por não ver mais sentido nessa vida… A mensagem de Jesus é para você:

Jesus quer lhe devolver para a sua mãe, para o seu lar, para uma vida nova! Encare esse dia de hoje como sendo o primeiro dia de uma nova fase da sua vida. Jesus não está pedindo, Ele está ORDENANDO! Qual é o pecado da sua vida? O que te prende ao que passou? Mude seu ponto de vista… Onde você vê apenas dificuldades e barreiras, passe a ver desafios, que devem ser encarados como oportunidades de crescer.

Às vezes é difícil sair de um buraco sozinho… e saber que você está lá, dando suporte, que vai saber ouvir e aconselhar, é tudo o que essa pessoa precisa…

Detalhe: ninguém pediu a Jesus que Ele reanimasse o jovem, a iniciativa foi dEle. Quem está em depressão não costuma pedir ajuda, espera que a ajuda apareça…


Categorias

%d blogueiros gostam disto: