Publicado por: sidnei walter john | 16 de outubro de 2016

Evangelho do dia 21 de outubro sexta feira


21 outubro Caminharemos a passinhos curtos, se não pudermos correr e nem andar ao passo, no entanto ficaremos de pé. Mas quando chegará a luz? Eis o segredo de Deus. (L 272). São Jose Marello 

 21-out-lucas-12-54-59Leitura do santo Evangelho segundo São Lucas 12,54-59

 Jesus disse também ao povo:
– Quando vocês vêem uma nuvem subindo no oeste, dizem logo: “Vai chover.” E, de fato, chove. E, quando sentem o vento sul soprando, dizem: “Vai fazer calor.” E faz mesmo. Hipócritas! Vocês sabem explicar os sinais da terra e do céu. Então por que não sabem explicar o que querem dizer os sinais desta época?
E Jesus terminou, dizendo:
– Por que é que vocês mesmos não decidem qual é a maneira certa de agir? Se alguém fizer uma acusação contra você e levá-lo ao tribunal, faça o possível para resolver a questão enquanto ainda está no caminho com essa pessoa. Isso para que ela não o leve ao juiz, o juiz o entregue ao guarda, e o guarda ponha você na cadeia. Eu lhe afirmo que você não sairá dali enquanto não pagar a multa toda.
 

Meditação:

Em muitas partes do Evangelho, Jesus repreende duramente quem o escuta, por sua falta de fé, sua falta de confiança, por não se darem conta de sua presença divina.

Jesus utiliza palavras duras, que poderiam produzir vergonha e raiva. Eles esperavam outra coisa desse homem que fala com autoridade de tantas coisas bonitas.

Para a geração de Jesus, e hoje não é diferente, a preocupação de muitos era buscar o bem-estar material, cumprir literalmente a Lei, porém sem contemplar a presença e atuação de Deus.

Pessoas com esse pensamento de vida realizavam ações somente para cumprir a lei. Não havia preocupação com o tema da salvação e, menos ainda, com a construção do reinado de Deus.

Por isso, Jesus critica duramente e reprova quem sabe ver os sinais do céu e na terra, mas não consegue ver os sinais que Ele mostra por meio de suas palavras e de seu agir, sinais que vão muito além de um simples cumprimento da Lei.

Para Jesus, a vida deve ir mais além de seus próprios desejos. O desafio é experimentar na vida a presença mesma do reinado de Deus.

No Evangelho de hoje, Jesus censura os homens que se julgavam possuidores de toda a ciência e conhecimento na interpretação dos fenômenos naturais e não conseguiam ver a necessidade do próximo. Aquele com quem cruzavam todos os dias. E mais não os seus olhos estavam fechados o ponto de não enxergarem o grande sinal dos últimos temos. Jesus Cristo presente entre eles.

Depois aponta-lhes aquele que os vai acusar diante do tribunal não terrestre mas sim celeste. E antes que isso aconteça é preciso fazer pazes.

Uma pergunta pode nos assaltar:  quem é o acusador dos homens? Quem os vai acusar?

É o ensino do mestre que nos chama a atenção. Eu quero misericórdia e não sacrifícios.

A misericórdia é complemento da doçura, porque aquele que não é misericordioso não sabe ser brando e pacífico; ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas.

O ódio e o rancor denotam uma alma sem elevação, sem grandeza, o esquecimento das ofensas é próprio da alma elevada que está acima dos insultos que se lhe pode dirigir; uma é sempre ansiosa, de uma suscetibilidade desconfiada e cheia de fel; a outra é calma, cheia de mansidão e de caridade.

Ai daquele que diz: “Eu nunca perdoarei”, porque se não for condenado pelos homens, se-lo-á por Deus; com que direito reclamará o perdão das suas próprias faltas se ele mesmo não perdoa os dos outros? Jesus nos ensina que a misericórdia não deve ter limites, quando diz para perdoar ao irmão não sete vezes, mas setenta vezes sete vezes.

Mas há duas maneiras bem diferentes de perdoar; uma grande, nobre, verdadeiramente generosa, sem segunda intenção, que poupa com delicadeza o amor-próprio e a suscetibilidade do adversário, tivesse mesmo este último toda a culpa. A segunda, pela qual o ofendido, ou aquele que acredita sê-lo, impõe ao outro condições humilhantes, e faz sentir o peso de um perdão que irrita, em lugar de aclamar; se estende a mão, não é com benevolência, mas com ostentação, a fim de poder dizer a todo mundo: “Vejam quanto sou generoso!”

Em tais circunstâncias, é impossível que a reconciliação seja sincera de parte a parte. Não, nisso não há generosidade, mas um modo de satisfazer o orgulho, Em toda contenda, aquele que se mostre mais conciliador, que prove mais desinteresse, caridade e verdadeira grandeza de alma, conquistará sempre a simpatia das pessoas imparciais.

Há na prática do perdão, e na do bem em geral, mais que um efeito moral, há também um efeito material.

De fato, o ato de perdoar é algo transcendental, além de imprescindível, porquanto para que sejamos perdoados é necessário que perdoemos. O Pai Eterno não está perdoando-nos, constantemente?

Tomando-se por base esse ensinamento evangélico, ensinado e exemplificado por Jesus Cristo, aprendamos, por conseguinte, a não permitir que mágoas, ofensas, prejuízos de qualquer espécie nos causem aborrecimentos, desilusões etc.

Temos na figura incomparável de Nosso Senhor Jesus Cristo o exemplo máximo de perdão: “Pai perdoa-lhes porque não sabem o que fazem!

Reflexão Apostólica:

Jesus nos ensina a dar valor ao tempo presente da nossa vida e nos mostra que as revelações do Pai também se manifestam por meio dos fatos e dos acontecimentos do nosso dia a dia.

Assim como nós percebemos as mudanças climáticas, as rotações das estações do ano, e detectamos se vem chuva ou sol, nós também precisamos estar atentos (as) aos sinais de Deus para interpretar o tempo presente da nossa vida.

Por meio das diversas situações que passamos o Senhor nos dá os meios para que possamos praticar a justiça e o amor. Portanto, o nosso momento presente é também um presente de Deus para nós, porque representa uma chance que temos para pôr em prática, concretamente, o que o Senhor nos ensina na Sua Palavra.

“Interpretar o tempo presente” é fazer uma reflexão do modo como nós estamos vivendo, das ações que estamos praticando, da justiça ou injustiça que estamos promovendo diante dos nossos irmãos.

Nós só temos um tempo para tomar decisão: é o tempo presente. Se não avaliarmos agora, a nossa vida, talvez mais tarde já não tenhamos tempo para arrependimento.

A parábola dos inimigos a caminho do tribunal quer mostrar aos discípulos a necessidade inadiável de aderir, sem restrições, ao Reino, e deixar-se transformar por ele, antes da chegada do Senhor.

O fato da vida, que serve como referencial para a parábola, funda-se no bom senso: é preferível reconciliar-se antes de comparecer diante do juiz, para evitar ser submetido a pesados castigos. Por outro lado, a necessidade de reconciliação é mais forte entre os pobres.

Resolver os problemas, sem a necessidade de processo judicial, é o caminho para se evitar a prisão ou outro tipo de condenação. Jesus oferecia aos seus a última chance de conversão.

Adiar tal decisão poderia resultar em conseqüências trágicas. Seria mais inteligente reconciliar-se, imediatamente, com Deus e com o próximo.

Jesus admirava-se da capacidade de discernimento das pessoas em relação às coisas do mundo, como também, da incapacidade de discernir quais atitudes deveriam tomar,em se tratando da salvação. Ou seja, a incapacidade de acolher sua palavra, seu convite a aderir ao Reino.

Só um louco haveria de preferir ver-se diante do tribunal, correndo o risco de ser severamente punido. No entanto, os contemporâneos de Jesus acharam por bem virar-lhe as costas.

Portanto, a hora é essa, se você está passando por algum momento difícil de sofrimento ou de doença, se você não está compreendendo nada do que tem sucedido na sua vida ou com a sua família, dê um voto de confiança ao Senhor e, procure, perceber os sinais que são evidentes.

O Espírito Santo quer dar a melhor direção e, além do mais, Deus deve estar querendo construir em nós, um homem ou uma mulher novos, acrisolados e purificados. Confiemos Nele e tudo passará!

O que tem acontecido no mundo no tempo presente? Você tem percebido os sinais do tempo? Você tem procurado tempo para meditar sobre a sua existência à Luz de Deus? Os acontecimentos da sua vida presente têm tido algum significado para você? Qual é para você a perspectiva do seu futuro em relação ao que você tem vivenciado no tempo presente? Você sabia que a dor com Jesus, se transforma em amor?

Propósito:

Pai, corrige a negligência que me impede de entregar-me inteiramente a ti, sem demora. Torna-me hábil para as coisas do teu Reino!


Categorias

%d blogueiros gostam disto: