Publicado por: sidnei walter john | 16 de outubro de 2016

Evangelho do dia 19 de outubro quarta feira


19 outubro – Suportemos os males com resignação, e contentemo-nos com aquela pequena parcela de bem que Deus nos deixa nestes tempos difíceis. (L 72). São Jose Marello

19-out-lucas-12-39-48Leitura do santo Evangelho segundo São Lucas 12,39-48

Eles serão felizes se o patrão os encontrar alertas, mesmo que chegue à meia-noite ou até mais tarde. Lembrem disto: se o dono da casa soubesse a que hora o ladrão viria, não o deixaria arrombar a sua casa. Vocês, também, fiquem alertas, porque o Filho do Homem vai chegar quando não estiverem esperando.
Então Pedro perguntou:
– Senhor, essa parábola é só para nós ou é para todos?
O Senhor respondeu:
– Quem é, então, o empregado fiel e inteligente? É aquele que o patrão encarrega de tomar conta da casa e de dar comida na hora certa aos outros empregados. Feliz aquele empregado que estiver fazendo isso quando o patrão chegar! Eu afirmo a vocês que, de fato, o patrão vai colocá-lo como encarregado de toda a sua propriedade. Mas imaginem o que acontecerá se aquele empregado pensar que o seu patrão está demorando muito para voltar. E imaginem que esse empregado comece a bater nos outros empregados e empregadas e a comer e a beber até ficar bêbado. Então o patrão voltará no dia em que o empregado menos espera e na hora que ele não sabe. Aí o patrão mandará cortar o empregado em pedaços e o condenará a ir para o lugar aonde os desobedientes vão.
– O empregado que sabe qual é a vontade do patrão, mas não se prepara e não faz o que ele quer, será castigado com muitas chicotadas. Mas o empregado que não sabe o que o patrão quer e faz alguma coisa que merece castigo, esse empregado será castigado com poucas chicotadas. Assim será pedido muito de quem recebe muito; e, daquele a quem muito é dado, muito mais será pedido.
 

Meditação:

Estas duas parábolas, a da chegada inesperada do ladrão e a do comportamento do servo que aguarda a chegada do senhor, continuam o tema escatológico da Parusia.

Esperando continuamente a chegada imprevisível do Senhor que serve, a comunidade cristã permanece atenta, concretizando a busca do Reino através da prontidão para o serviço fraterno.

Os vv. 41-46 mostram que isso vale ainda mais para os dirigentes da comunidade, que receberam de Jesus o encargo de servir, provendo às necessidades da comunidade. A responsabilidade é ainda maior, quando se sabe o que deve ser feito.

Vós também, ficai preparados, pois na hora em que menos pensais, virá o Filho do Homem. O tema de hoje é a vigilância, eu e você precisamos estar preparados.

Se você soubesse que hoje é o último dia da sua vida, o que você faria? Quantas respostas não? Talvez diriam: “Eu correria para a Igreja a fim de fazer uma boa confissão”. Outros diriam: “Eu vou correr e perdoar todas as pessoas que me ofenderam; eu iria pedir perdão a todos aqueles que eu ofendi; eu iria repartir o que eu tenho a mais com os pobres”.

O que lhe impede de fazer isso hoje, mesmo sabendo que talvez hoje não seja o último dia da sua vida? Fazer assim é estar preparado.

Não sabemos nem o dia e nem a hora. Precisamos viver como se este dia, como se esta hora fossem os últimos em nossas vidas.

Se vivermos assim o dia de hoje, com certeza estaremos preparados, porque se o Senhor vier no dia de hoje, não haverá desespero para nós. Por quê? Porque estamos vivendo este dia como o último, esta hora como a última.

E você,  o que faria no último dia da sua vida? Certamente faria o melhor dia da sua vida, amaria a todos, perdoaria a todos, serviria a todos. O que lhe impede de viver assim o dia de hoje?

Então, viva assim, buscando fazer o bem, buscando amar a todos, buscando perdoar a todos, lutar pela verdade, lutar pela justiça, cuidar de quem sofre, amar os mais pobres, socorrer os necessitados, consolar os aflitos. É assim que o Senhor quer te encontrar e me encontrar na sua segunda vinda.

Agora, seria muito triste não zelarmos, não administrarmos bem o que o Senhor nos confiou, os talentos: a quem muito foi dado, muito será colhido, a quem muito foi confiado, dele muito será exigido.

É verdade. Deus nos confiou muitas coisas, Deus nos deu muitos dons, Deus nos confiou uma obra, Deus nos confiou muito.

Então, temos que ser fiéis àquilo que Deus nos confiou, temos que administrar bem aquilo que Deus nos confiou, mesmo sabendo de nossas fraquezas e pecados, Deus nos confiou.

Deus nos confiou uma família, Deus nos confiou um trabalho, Deus nos confiou tantas coisas. Deus nos confiou uma comunidade, Deus nos confiou filhos, Deus nos confiou pais, Deus nos confiou o que está à nossa volta para que cuidássemos com toda fidelidade e pudéssemos estar vigilantes: hoje o Senhor virá!

Os primeiros cristãos viviam sempre na iminência da segunda vinda de Cristo. Assim como eles, também nós estejamos vigilantes porque Jesus vai voltar.

Ele pode voltar hoje pela manhã, pela tarde, ou durante a noite. Vivamos então, meu amigo e minha amiga, preparados, para que o Senhor possa assim nos encontrar.

Reflexão Apostólica:

CUIDADO: se ler, depois não vai mais poder dizer que não sabia…

A leitura de hoje é riquíssima, e poderia ser dividida para vários dias. O tema principal continua sendo a segunda vinda do Senhor Jesus, como se já nos preparasse para o Advento que começa no próximo mês.

Os dois primeiros versículos (39-40) concluem a parábola do dono da casa, que se soubesse a hora em que o ladrão chegaria, não o deixaria arrombar a casa. Como deve ser ruim a sensação de chegar em casa e perceber que ela foi arrombada…

Nós vemos as pessoas que nos falam, vemos em filmes e na televisão, mas só sabe a sensação quem já passou por isso…

São seus bens materiais, mas que muitos têm até um valor sentimental, pelo esforço que exigiu durante anos de trabalho, ou foram presentes de alguém especial, que de uma hora para outra não existem mais…

Existem pessoas que nunca deixam a casa sem alguém, com medo que entrem e levem seus bens. Quem já passou pela situação de ser assaltado(a) vai entender o que Jesus está dizendo nesses versículos.

Se você soubesse que seria assaltado(a) naquele momento, teria tomado as providências para evitar o assalto, não é? Da mesma forma, Jesus pode voltar a qualquer momento… Onde e como Ele vai te encontrar?

No versículo seguinte Pedro pergunta se aquelas palavras eram dirigidas apenas aos 12 Apóstolos ou para todos. Jesus estava falando em particular para os 12, e Pedro queria saber se essa mensagem deveria ser difundida para todas as pessoas.

Nos versículos seguintes (42-48) Jesus responde a pergunta de Pedro comparando o nosso mundo a uma casa. Os “administradores fiéis e prudentes” de Deus são os Apóstolos, que hoje são representados pela Igreja Católica.

Nós, leigos, somos o “pessoal” da casa. Certamente, se a segunda vinda de Jesus tivesse sido na Idade Média, os “administradores da casa de Deus” estariam encrencados… Na época atual, a Igreja Católica procura, cada vez, mais acertar.

Pode até não ter posicionamento definido para todas as questões do mundo, não ter todas as respostas, mas quando toma um posicionamento, sempre busca defender a dignidade do “pessoal da casa”: nós.

Quando a Igreja se posiciona contra o aborto, a camisinha e o sexo antes do casamento, por exemplo, é por um motivo: a defesa da dignidade humana.

Nós valemos muito mais que muitos pardais… Valemos muito mais que qualquer obra de arte, na qual se gastam milhões de dólares para se restaurar e manter a segurança.

A Mona Lisa, por exemplo, é uma obra belíssima, feita por um artista espetacular, mas não passa disso. É uma obra de arte humana.

Nós, também, somos obras de arte feita por Deus, por isso a Igreja nos defende tanto… para quando Jesus voltar, ela poder nos devolver melhor do que quando ela te recebeu.

A mensagem de hoje termina com um aviso muito sério: os castigos. O primeiro castigo é para os maus “administradores”: “Serão cortados ao meio e participarão do mesmo destino dos infiéis.” Precisa dizer qual o destino dos infiéis?

O segundo castigo é para o pessoal da casa que sabe da sua responsabilidade, mas não cumpre: “Serão chicoteados muitas vezes.” E o terceiro castigo é para aquelas pessoas que agem de forma a merecer o castigo, mas que não conheciam estas palavras: “Serão chicoteados poucas vezes.”

Portanto, é melhor pensar em estar preparado para a vinda de Jesus, esperando ansiosamente, “com os rins cingidos e a lâmpada acesa”, a fim de merecer sentar à mesa com Ele, do que agir corretamente com o intuito de não levar as chicotadas…

Propósito:

Pai, leva-me a tomar consciência de que muito será exigido de mim, pois muito me foi dado. Que minha vida seja compatível com minha condição de discípulo do teu Reino.


Categorias

%d blogueiros gostam disto: