Publicado por: sidnei walter john | 11 de outubro de 2016

Evangelho do dia 12 de outubro quarta feira


nossa-senhoraNOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA

12 outubro – Vamos em frente dia após dia, como Deus quer, e “Deo Gratias”: demos graças a Deus por tudo o que ele determinar. (S 286). São Jose Marello

12-out-joao-21-11LEITURA DO EVANGELHO DE SÃO João 2,1-11

Dois dias depois, houve um casamento no povoado de Caná, na região da Galiléia, e a mãe de Jesus estava ali. Jesus e os seus discípulos também tinham sido convidados para o casamento. Quando acabou o vinho, a mãe de Jesus lhe disse:
– O vinho acabou.
Jesus respondeu:
– Não é preciso que a senhora diga o que eu devo fazer. Ainda não chegou a minha hora.
Então ela disse aos empregados:
– Façam o que ele mandar.
Ali perto estavam seis potes de pedra; em cada um cabiam entre oitenta e cento e vinte litros de água. Os judeus usavam a água que guardavam nesses potes nas suas cerimônias de purificação. Jesus disse aos empregados:
– Encham de água estes potes.
E eles os encheram até a boca. Em seguida Jesus mandou:
– Agora tirem um pouco da água destes potes e levem ao dirigente da festa.
E eles levaram. Então o dirigente da festa provou a água, e a água tinha virado vinho. Ele não sabia de onde tinha vindo aquele vinho, mas os empregados sabiam. Por isso ele chamou o noivo e disse:
– Todos costumam servir primeiro o vinho bom e, depois que os convidados já beberam muito, servem o vinho comum. Mas você guardou até agora o melhor vinho.
Jesus fez esse seu primeiro milagre em Caná da Galiléia. Assim ele revelou a sua natureza divina, e os seus discípulos creram nele.
  

1º Meditação:

Para o evangelista João, os “milagres” de Jesus são sempre “sinais” que nos fazem olhar para além da materialidade dos fatos.

Vejamos mais de perto a mudança da água em vinho. A água é um elemento vital. Mas é, antes de tudo, um elemento ordinário e bruto: não necessita de ser fabricada, encontra-se na natureza. O vinho é o resultado do trabalho do homem. É preciso cultivar a vinha, colher as uvas, esmagá-las, fermentar… O vinho é fruto da videira, mas também do trabalho dos homens.

Em Caná, Jesus pede aos serventes que encham as talhas de água. É o símbolo da nossa vida de todos os dias. Esta água pode ser fresca, boa para beber, como a vida é boa para viver quando ela tem luz e alegria. Mas a água também pode ser salobra, sem gosto, nada boa para beber, como certos dias da nossa vida, tristes e dolorosos.

Jesus toma esta água ordinária para a transformar. Não pelo toque duma varinha mágica, mas pela força do Espírito Santo, pelo poder do amor. Jesus “trabalhou” a água com o amor de Deus, do qual Ele estava cheio. É por isso que esse vinho era infinitamente melhor que o vinho dos homens.

Eis o que Jesus nos quer dizer através deste seu primeiro “sinal”: Ele quer juntar-Se a nós, na nossa vida ordinária de cada dia, para aí colocar a presença do seu amor e do amor do Pai e do Espírito.

Ele toma a nossa vida com as nossas penas, as nossas alegrias, os nossos amores, os nossos êxitos (que são importantes, mas muitas vezes efêmeros), as nossas tibiezas, os nossos dias sem gosto e sem cor, os nossos fracassos e os nossos pecados e é aí, bem dentro de nós, que Ele nos “trabalha” com o seu amor, no segredo, para fazer jorrar em nós a vida que tem o sabor do vinho do Reino.

Reflexão Apostólica:

Jesus realizou seu primeiro milagre em Caná da Galiléia numa festa de casamento. Foi por intercessão de Sua Mãe Maria que este milagre aconteceu e a certeza de que Maria está presente na “festa da nossa vida” é a razão da nossa esperança diante das nossas carências.

Jesus manifestou o Seu poder transformando a água em vinho. Assim também Ele pode fazer na nossa vida transformando o pouco que temos em algo muito melhor.

Há dias em que para nós falta o vinho da alegria, da paz, da saúde da sobrevivência financeira. Para nós, parece até que a festa está chegando ao fim. Porém, Nossa Senhora, atenta às nossas carências, escuta o nosso silêncio e vê a nossa angústia.

A intercessão de Nossa Senhora é poderosa. Ela é mãe e conhece a vontade de Deus para nós como também as nossas necessidades.

Se confiamos nela, mesmo que não peçamos nada, ela estará providenciando junto do Seu Filho, o vinho que nos está faltando.

Precisamos, porém, colocar as nossas talhas a disposição do Mestre e fazer tudo o que Ele nos disser. Nossa Senhora é apenas a intermediadora.

Quem nos dá as ordens é Jesus e, se fizermos tudo quanto Ele nos disser com certeza, também a água que nós O oferecermos será transformada em vinho.

Qual é hoje o vinho que está faltando para a sua festa ser alegre? O que está faltando na sua vida? Peça a Maria com confiança e ela intercederá diante do Seu Filho. A sua festa não irá terminar. Você tem feito tudo o que Jesus lhe diz?

O evangelho das bodas aponta para o poder da intercessão. O texto é simbólico! As talhas vazias simbolizam a religião antiga, que perderam sua função. O vinho novo, de boa qualidade, é a mensagem de Jesus que traz vida nova e devolve a alegria à festa da vida.

Maria, a mãe de Jesus, está presente nessa festa da vida e intercede, junto a Jesus, pois é dele que vem o poder renovador da vida.

Que Maria, a padroeira do Brasil, interceda pelas necessidades da nossa nação. Nossa Senhora Aparecida, Rogai por nós!

Propósito:

Senhor Jesus, que Maria me conduza sempre a ti e me leve a descobrir em ti o caminho da salvação que o Pai nos ofereceu.

2º Meditação

A festa das Bodas de Cana é uma das passagens bíblicas mais fascinantes do Evangelho. Maria está na festa, Jesus e seus discípulos também.

Maria percebe que o vinho está acabando, e para evitar o constrangimento dos noivos, pois faltará o principal para festa, o vinho, que simbolizava a alegria. Ela se dirige a Jesus, fazendo-lhe um pedido: “Eles não tem mais vinho“.

Maria ao faz esse pedido a Jesus, porque em seu coração sabia que seu filho podia ajudar. Jesus está ali, junto com seus amigos festejando o casamento, e provavelmente, também tomavam vinho.

A resposta de Jesus parece desrespeitosa: “Mulher, porque dizes isso a mim? Minha hora ainda não chegou”. Ao dar essa resposta a sua mãe, Jesus quer dizer que ainda não era o momento oportuno para começar sua missão.

Maria não discute com Jesus, e diz aos serventes: “Fazei o que ele vos disser”. Só eles ficaram sabendo da origem daquele vinho delicioso, servido por último aos convidados.

O bom vinho alegra as pessoas e a festa fica melhor. Com o milagre da Bodas de Caná, Jesus começa a manifestar sua glória e a despertar a fé em seus discípulos.

Podemos observar a perfeita sintonia entre Maria e seu Filho, Jesus Cristo. Essa sintonia é tamanha, que basta uma palavra de intercessão da Mãe para que o pedido seja prontamente atendido pelo Filho.

Jesus não resiste ao pedido da mãe e, faz de sua Maria a suprema intercessora de quantos a Ela recorrem em busca de socorro nas ocasiões de dificuldades e necessidades. Maria, a maior intercessora de todos os cristãos, foi sem dúvida a responsável pelo primeiro milagre operado por Cristo.

Não foi preciso que alguém da família fizesse algum pedido a Maria, por usa vontade ela o fez. Maria não só realiza a vontade de Deus, mas nos orienta a fazer o que seu filho mandar.

Ele é o vinho novo de nossa vida, assim com transformou água e vinho, ele transforma as situações difíceis em que nos encontramos, situações que muitas vezes pensamos não encontrar a solução. E Jesus no final, nos dá muita alegria, ao ouvirmos o que ele tem a nos dizer.

Maria, mãe de Jesus e nossa mãe, está atenta ao que acontece com seus filhos, ela está ao nosso lado caminhando conosco, sabe de nossas necessidades, de nossos sofrimentos e agonias.

O que precisamos saber, é que devemos esperar nossa hora chegar, para recebermos a resposta de Cristo, que realizará as graças pedidas por Maria. Ela está atuante, acolhendo nossos pedidos e apresentando a Jesus.

 2º Reflexão Apostólica:

O que seria desse milagre sem a intercessão de Maria? O que seria desse milagre se os funcionários não tivessem a ouvido? O que seria desse milagre se não tivessem enchido os potes até a boca?

Um milagre normalmente brota de algo que existe e poucas vezes ele surge do nada, por isso a intercessão de Maria bem como a ação dos funcionários (ou empregados) foi tão vital para que ele acontecesse. Sim!

O milagre poderia acontecer apenas com o toque de Deus, mas Deus não se intromete nas questões humanas em respeito ao livre arbítrio.

Maria é a grande intercessora desse milagre, bem como de outras situações que conhecemos ou já ouvimos, mas de que vale a sua intercessão se não acreditarmos? Que vale a intercessão dos santos se não enchermos nossas talhas de fé, tentando e acreditando, até o máximo da nossa capacidade?

O mundo hoje é tão cético e em alguns momentos devoto de tudo. Um povo que não acredita em nada se choca com outro que acredita em tudo e no meio desses “dois mundos” estão aqueles que têm fé.

Os céticos preferem não acreditar e depender do que conhecem, sabem, vêem e podem controlar e explicar; os que em tudo acreditam põem Deus num patamar idêntico aos anjos, imagens , figuras, baguás, trevos, pés de coelho e elefantinhos virados para porta, mas os que tem fé são aqueles que estão dispostos de acreditar e agir.

O milagre que espero que aconteça precisa começar pela minha tentativa insistente e resistente para que

ocorra.

É acreditar do fundo do coração que aquilo dará certo, mesmo sabendo que nem tudo depende de nossa vontade; é acreditar, sem saber o porquê e encher as talhas.

O milagre não surgirá do nada, será preciso bater na rocha e acreditar que Deus estará à frente, mas por ventura ele não ocorrer, nunca deixar de acreditar que mesmo assim Deus sempre esteve perto.

Jesus inicia seu trabalho em Caná, um trabalho que três anos depois o levaria ao calvário e a nossa salvação pessoal.

Algo fez Maria ser diferente: Sempre acreditou no projeto de Deus e que sua dor seria premiada com um vinho novo e de melhor sabor. Durante sua vida Maria sempre encheu suas talhas até a boca.

E nós? O quanto me empenho em acreditar e no que acredito?


Categorias

%d blogueiros gostam disto: