Publicado por: sidnei walter john | 12 de setembro de 2016

Evangelho do dia 14 de setembro quarta feira


14 de setembro – Exaltação da Santa Cruz.

Amemos a cruz, pois é ela que nos deverá introduzir no Céu. (S 209). São Jose Marello

14-set-joao-3-13-17João 3,13-17

Ninguém subiu ao céu, a não ser o Filho do Homem, que desceu do céu.
– Assim como Moisés, no deserto, levantou a cobra de bronze numa estaca, assim também o Filho do Homem tem de ser levantado, para que todos os que crerem nele tenham a vida eterna. Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna. Pois Deus mandou o seu Filho para salvar o mundo e não para julgá-lo.
  

Meditação:

O valor tão elevado que atingem certos objetos está relacionado diretamente com a importância da pessoa que o usou. Em si mesmos, seu valor é infimamente menor.

Assim, a festa de hoje não teria nenhum valor para nós, se o Cristo não tivesse se doado por amor e por nosso resgate, derramando sua vida em nosso favor.

Com certeza, haverá aqueles que, sem entender o verdadeiro sentido, acusar-nos-ão de estarmos adorando um objeto no lugar de Jesus.

A estes irmãos, é bom saber que o lenho da cruz, assim como os santos e até Maria, não teria para nós nenhum sentido, se não fosse pelo Cristo que experimentaram e pelo qual se doaram, deixando-nos o exemplo de que sim, é possível, que criaturas imperfeitas e pecadoras – pela sua graça – alcancem méritos diante de seu Criador.

A festa da Exaltação da Santa Cruz é a festa da Exaltação do Cristo vencedor da morte e do pecado por seu corpo dado e sangue derramado no alto da cruz.

Para o cristianismo a cruz é o símbolo maior de fé, com cujos traços todos nós nos persignamos desde o momento do levantar até o deitar a cada dia.

Na cerimônia batismal o primeiro sinal de acolhida à criança recém-nascida é o sinal-da-cruz traçado em sua fronte pelo Padre, Pais e Padrinhos, sinalando-a para sempre com a marca de Cristo.

Desde os tempos antiqüíssimos, a Igreja passou a celebrar exaltar e venerar a Cruz, inclusive, como símbolo da árvore da vida que se contrapõe à árvore do pecado no paraíso, e símbolo mais perfeito da serpente de bronze que Moisés levantou no deserto para curar os israelitas picados pelas cobras porque o Filho do Homem nela levantado cura o homem todo e todos os homens, o corpo e a alma dos que n’Ele crêem e lhes dá a vida eterna.

No Evangelho de hoje Jesus retoma esses símbolos do passado bem conhecidos pelo povo (serpente, árvore, pecado, morte) para dizer que no lugar da serpente de bronze pendurada no alto de um poste de madeira Ele mesmo é quem seria levantado no lenho da cruz.

Se o pecado e a morte advieram da insídia e veneno do demônio, nos símbolos da árvore proibida e da serpente do paraíso e do deserto, a bênção, a salvação e a vida eterna advêm do Cristo levantado no alto da cruz de onde Ele atrai a si os olhares de toda a humanidade.

Eis porque a Igreja canta na Liturgia Eucarística da festa: Santa Cruz adorável, de onde a vida brotou, nós, por ti redimidos, te cantamos louvor! E na Liturgia das Horas: Mais altaneira do que os cedros, ergue-se a Cruz triunfal: não traz um fruto de morte, traz a vida a todo mortal.

A cruz, antes de ser sinal de sofrimento e de morte, é sinal de salvação. O evangelho nos ensina a olhá-lo como manifestação do amor de Deus.

Por ser amor e ternura radical, Jesus, assim como uma mãe ou um pai, não gosta de ver seus filhos sofrendo. E não pode ser visto como mandante do assassinato do próprio Filho. Jesus morreu em conseqüência de sua fidelidade ao Pai.

Foi vítima das autoridades da época, que o consideravam perigoso. A cruz era o suplício dos escravos e dos subversivos.

A lembrança de Jesus na cruz nos faz conscientes de que os chefes do mundo, ainda hoje, têm este poder de morte e o exercem, enlouquecidos por suas ambições.

Na nossa América Latina temos a lembrança dos que foram sacrificados por suas lutas a favor dos pobres e oprimidos. A humanidade é exaltada pelo dom da vida eterna na encarnação de Jesus, comunicando a todos seu amor libertador, pelo que foi crucificado.

Como vimos, no Evangelho de hoje, Jesus é procurado por Nicodemos para responder algumas perguntas que nós mesmos gostaríamos de fazer a Ele. Primeiro, Nicodemos queria saber se alguém já tinha subido aos céus, depois da morte.

Jesus é muito claro na resposta: “Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem”. E completa: “…é necessário que o Filho do Homem seja levantado, para que todos os que n’Ele crerem tenham a vida eterna.”

Para nós, não é difícil entender o que Jesus queria dizer, pois nós já sabemos o que aconteceu com Ele. Mas para Nicodemos e as pessoas daquela época, devia ser impossível entendê-lo, pois eles não sabiam que Jesus estava falando da sua morte e ressurreição.

A segunda pergunta, eu imagino que tenha vindo assim: “Jesus, já vi muitas vezes você pregando, e quase sempre você está advertindo e repreendendo as atitudes erradas das pessoas… Deus mandou você ao mundo para nos julgar?” E Jesus conclui: “De fato, Deus não mandou seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele.”

De tudo isso, podemos concluir que todos nós temos salvação, independente do que tenhamos feito e, como diz a canção: “Saiba que todo teu pecado, em toda a tua vida, é uma pequena gota que se derramou no mar da misericórdia infinita de Deus“.

Reflexão Apostólica:

A lição prática de hoje é aparentemente bem simples: aceitar a salvação que Jesus veio nos trazer. A salvação é para quem aceita Jesus e vive segundo seus preceitos e a principal função da igreja é facilitar esse processo. Se Jesus não veio para condenar, quanto mais a igreja, ou determinadas religiões…

Para quem se acha no direito de condenar, a reflexão de ontem é bem direta: “com a mesma medida que julgares, serás julgado”.

Ninguém pode ficar de fora. Jesus veio para salvar o mundo e não para condená-lo. Esta é a vontade do Pai: que todos sejam salvos. Aquele que precisa ser salvo corre risco de vida se não estiver constantemente alerta para as ciladas do inimigo.

Neste Evangelho Jesus nos diz: “é necessário que o Filho do homem seja levantado para que os que nele crerem tenham a vida eterna.”

Uma única vez Jesus foi levantado na CRUZ para a salvação do mundo, porém é necessário que a cada dia no mundo inteiro nós continuemos erguendo o Seu Nome, anunciando o Seu Evangelho.

Para nós também é sinal de salvação a Eucaristia a qual nós participamos, pois a cada Missa se renova o memorial da Sua Paixão.

Aqueles que crêem têm a vida eterna. Para que todos creiam em Jesus e tenham a vida eterna nós precisamos fazer a nossa parte e sem descanso anunciar ao mundo que Jesus veio para todos, que Ele é a fonte de vida eterna. Jesus é aquele que Deus deu ao mundo por amor e para que todos sejam salvos do pecado e da morte eterna.

Não podemos nos contentar no relativismo dos tempos modernos dizendo que tudo é válido, e que todos os caminhos nos levam a Deus: há um só Caminho, Jesus Cristo e nós não podemos perder tempo em propagar a todos esta verdade.

Você acha que o mundo está perdido, que não há mais chance? Qual será a sua parte na salvação que Deus quer trazer para todos os homens? Você acha que uma andorinha só não faz verão? Você acha justo que Deus queira salvar todo homem: os bons e os maus? Você quer?

Propósito:

Pai, ao exaltar a cruz de teu Filho Jesus, quero abrir meu coração para que ela frutifique em mim, renovando minha disposição de ser totalmente fiel a ti. Senhor Jesus, nesta festa em que exaltamos o madeiro no qual restaurastes nosso convívio harmonioso com o Pai, te pelo que, enquanto caminho neste mundo, cercado por problemas, dores e distorções, nunca me esqueça do teu sacrifício por mim e, da mesma forma, que tu não regeitaste a tua cruz, mas a levaste até ao fim eu contigo aprenda a não fugir dela mas, pedir forças à Deus teu Pai e a me doar aos meus irmãos naquilo que estiver ao meu alcance, até que um dia possa contigo cantar o eterno Hino de Louvor lá no céu.

Meditação:

Neste texto temos um trecho da resposta de Jesus a Nicodemos que, interpretando ao pé da letra as palavras de Jesus, questiona como um homem, sendo velho, pode nascer de novo. Jesus é a fonte da vida eterna.

A missão de Jesus não é a de condenação do mundo, mas de salvação, pela comunicação da vida divina e eterna a todos. É a missão da misericórdia e do amor, a que todos somos chamados.

(…) Todos os que crêem no Filho de Deus elevado entre o céu e a terra, suspenso na cruz, recebem dele a vida eterna. A cruz, instrumento de suplício e de maldição, torna-se, em Jesus Cristo, instrumento de salvação para todas as pessoas. Por isso, somos convidados a nos associar à cruz de Cristo. Quando falamos em união à cruz, logo pensamos em sofrimento, mas devemos pensar em algo que é mais importante que o sofrimento: Jesus, no alto da cruz, não era nada para si, mas todo para os outros, nos mostrando, assim, que cruz significa não viver para nós mesmos, mas fazer da nossa vida um serviço a Deus e aos irmãos e irmãs. A cruz só pode ser verdadeiramente compreendida sob o horizonte do amor maior” (CNBB)

O valor tão elevado que atingem certos objetos está relacionado diretamente com a importância da pessoa que o usou. Em si mesmos, seu valor é infimamente menor.

A festa de hoje não teria nenhum valor para nós, se o Cristo não tivesse se doado por amor e por nosso resgate, derramando sua vida em nosso favor. Com certeza, haverá aqueles que, sem entender o verdadeiro sentido, acusar-nos-ão de estarmos adorando um objeto no lugar de Jesus.

O lenho da cruz, assim como os santos e até Maria, não teria para nós nenhum sentido, se não fosse pelo Cristo que experimentaram e pelo qual se doaram, deixando-nos o exemplo de que sim, é possível, que criaturas imperfeitas e pecadoras – pela sua graça – alcancem méritos diante de seu Criador.

A festa da Exaltação da Santa Cruz é, portanto, como muito bem colocou frei Caetano Ferrari, a festa da Exaltação do Cristo vencedor da morte e do pecado por seu corpo dado e sangue derramado no alto da cruz.

Para o cristianismo a cruz é o símbolo maior de fé, com cujos traços todos nós nos persignamos desde o momento do levantar até o deitar a cada dia.

Na cerimônia batismal o primeiro sinal de acolhida à criança recém-nascida é o sinal-da-cruz traçado em sua fronte pelo Padre, Pais e Padrinhos, sinalando-a para sempre com a marca de Cristo.

Desde os tempos antiqüíssimos, a Igreja passou a celebrar exaltar e venerar a Cruz, inclusive, como símbolo da árvore da vida que se contrapõe à árvore do pecado no paraíso, e símbolo mais perfeito da serpente de bronze que Moisés levantou no deserto para curar os israelitas picados pelas cobras porque o Filho do Homem nela levantado cura o homem todo e todos os homens, o corpo e a alma dos que n’Ele crêem e lhes dá a vida eterna.

No Evangelho de hoje Jesus retoma esses símbolos do passado bem conhecidos pelo povo (serpente, árvore, pecado, morte) para dizer que no lugar da serpente de bronze pendurada no alto de um poste de madeira Ele mesmo é quem seria levantado no lenho da cruz.

Se o pecado e a morte advieram da insídia e veneno do demônio, nos símbolos da árvore proibida e da serpente do paraíso e do deserto, a bênção, a salvação e a vida eterna advêm do Cristo levantado no alto da cruz de onde Ele atrai a si os olhares de toda a humanidade.

Eis porque a Igreja canta na Liturgia Eucarística da festa: Santa Cruz adorável, de onde a vida brotou, nós, por ti redimidos, te cantamos louvor! E na Liturgia das Horas: Mais altaneira do que os cedros, ergue-se a Cruz triunfal: não traz um fruto de morte, traz a vida a todo mortal.


Categorias

%d blogueiros gostam disto: