Publicado por: sidnei walter john | 6 de setembro de 2016

Evangelho do dia 9 de setembro sexta feira


09 setembro – Devemos ser santamente alegres e estar contentes com tudo, até com nossas falhas, pois elas nos exercitam na humildade. (S 193).  SÃO JOSE MARELLO

9-set-lucas-6-39-42Leitura do santo Evangelho segundo São Lucas 6,39-42

E Jesus fez estas comparações:
– Um cego não pode guiar outro cego. Se fizer isso, os dois cairão num buraco. Nenhum aluno é mais importante do que o seu professor. Porém, quando tiver terminado os estudos, o aluno ficará igual ao seu professor.
– Por que é que você vê o cisco que está no olho do seu irmão e não repara na trave de madeira que está no seu próprio olho? Como é que você pode dizer ao seu irmão: “Me deixe tirar esse cisco do seu olho”, se você não repara na trave que está no seu próprio olho? Hipócrita! Tire primeiro a trave que está no seu olho e então poderá ver bem para tirar o cisco que está no olho do seu irmão.

Meditação:

Novamente retomamos o itinerário de Lucas, que vai descrevendo as estratégias pedagógicas de Jesus para formar seus discípulos. Depois da exortação com caráter de mandamento do amor aos inimigos, Jesus propõe a comparação do cego que guia outro cego. Um olhar ao texto desde a perspectiva do discipulado nos ajudará a compreender melhor a comparação.

Esta é a proposta de Jesus para seus discípulos, que cheguem a ser como ele, sem se sentir superiores aos outros. Para chegar a ser como o mestre, é necessário olhar para nós mesmos; em termos atuais seria fazer uma auto-avaliação ou, como diz o evangelho, olhar a viga que temos em nosso olho antes de pretender tirar o cisco do olho alheio.

Esta passagem se encerra com um forte adjetivo: “hipócrita”, fazendo referência a que não podemos ser guias de outros enquanto não tenhamos luz em nossas vidas.

Com este diálogo, Jesus questiona a pedagogia do momento e nos apresenta uma nova lógica, a diversidade de saberes: um convite a valorizar o que há de discípulo e de mestre em cada um.

Lucas reúne, na segunda metade do capítulo 6 de seu evangelho, após a proclamação das bem-aventuranças, várias sentenças de Jesus veiculadas na tradição das comunidades.

Compõe, assim, um discurso, à semelhança do Sermão da Montanha, de Mateus. No texto de hoje temos duas sentenças correlacionadas entre si.

A referência a “parábola”, na introdução do texto parece vincular-se à parábola das duas casas, narrada mais adiante (vv. 43-49).

Na primeira sentença temos as duas interrogações sobre o cego que guia outro cego. É possível que, originalmente, fosse dirigida aos fariseus tidos como guias de uma doutrina que desorientava o povo.

Lucas, aqui, a estaria aplicando também aos discípulos, os quais deveriam entender melhor a missão de Jesus. Ao estarem bem formados não deverão pretender ser maior do que Jesus.

A segunda interrogação é feita com uma comparação usando o exagero: o cisco ou a trave no olho. Em vez de ficar procurando defeitos nos irmãos, é importante que faça a sua própria autocrítica. Assim, com humildade, se está preparado para, com lucidez e amor, se fazer a correção fraterna do irmão.

Como nos fixarmos no cisco no rosto do irmão sem nos darmos conta da trave que temos no olho? Com isto Jesus quer nos advertir que não é legítimo questionar o outro por uma pequena transgressão sem nos darmos conta de que, por vezes, toda a nossa vida é um grande equívoco.

Sucede a miúdo que damos atenção a pequenos detalhes da prática litúrgica ou sacramental, e nos esquecemos da justiça e da solidariedade.

Às vezes colocam-se acima de tudo as normas e a formalidade, e nos esquecemos da situação das pessoas; pretendemos manter a casca e ignoramos o que está dentro.

O convite de Jesus é para revermos nossa vida a fundo, para detectarmos quais são nossas próprias cegueiras e traves que nos impedem de viver autenticamente o Evangelho do Reino.

Não devemos nos preocupar no julgamento das ações de nossos irmãos, mas reconhecer nossas próprias fraquezas e apresentar com clareza o que Deus espera de nós.

Reflexão Apostólica:

Sem dúvida, um cego não pode guiar outro cego. Não se pode dar aos demais algo que não possuímos. Não podemos ajudar alguém se não nos ajudamos a nós mesmos.

Seria injusto querer corrigir o outro quando primeiro não olho o mal que estou fazendo frente aos demais. O ideal seria ser como nosso Mestre Jesus, mas para isso temos que ir fazendo caminho, amadurecendo em nossas vidas as deficiências que temos como pessoas.

Como discípulos, podemos ser como o Senhor, mas nunca intentar ser mais que ele. Porém, para isso temos que olhar como era o comportamento de Jesus diante das pessoas, como se expressava em certas situações, como enfrentava as dificuldades, entre outras coisas mais.

O evangelho de hoje também nos fala que quem quer ajudar a tirar o cisco no olho de outra pessoa, primeiro deve tirar a trave que está no seu próprio olho.

Quer dizer, não julguemos os demais sem primeiro revisar como está minha vida frente a Deus e os irmãos. Descubramos nosso próprio pecado. Sejamos compassivos e misericordiosos como o Pai o é com todos nós, seus filhos

Deus nos julga com a mesma medida que usamos para os outros. O rigor do nosso julgamento sobre o nosso próximo(cisco) mostra que desconhecemos a nossa própria fragilidade e a nossa condição de pecadores diante de Deus (trave).

Tudo o que nós desejarmos das pessoas com quem nos relacionamos deverá ser regra de vida para nós. Somos convidados (as) a nos ajudar mutuamente na caminhada que fazemos em busca da perfeição.

A nem um de nós cabe o papel de “mestre” e de “senhor” da situação, apenas ditando preceitos e normas para que os outros cumpram.

É nosso dever, em primeiro lugar, examinar como estamos vivendo e qual o testemunho que nós estamos oferecendo ao mundo para que as outras pessoas sejam guiadas por nós.

Se, estamos cegos (as) e não reconhecemos as nossas próprias falhas; se, não buscamos emendar o que está torto em nós, nunca poderemos nós, aconselhar, exortar ou admoestar alguém que também é passível de erro.

A trave nos nossos olhos nos impede de enxergar as nossas fraquezas e limitações. Para tirá-la, nós precisamos pedir ao Espírito Santo que purifique os nossos pensamentos, sentimentos e as nossas atitudes. Do contrário, Jesus nos lembra, nós poderemos cair no barranco e levar muita gente conosco.

Porque não fazemos isso, é que muitos se decepcionam conosco e têm a sua fé enfraquecida se afastando do convívio da comunidade e culpando a Deus pelas nossas incoerências. “A começar em mim”, eis a regra de ouro!

Você é responsável na condução de alguém? Como pessoa comprometida você tem conseguido ser um exemplo a ser seguido? Você é daqueles que dizem “façam o que digo e não faça o que eu faço”? Medite sobre isto!


Propósito:

Pai, concede-me suficiente autocrítica que me predisponha a corrigir meu semelhante, sem incorrer na malícia dos hipócritas.


Categorias

%d blogueiros gostam disto: