Publicado por: sidnei walter john | 21 de agosto de 2016

Evangelho do dia 22 de agosto segunda feira


22  AGOSTO Como os fluidos, o homem pode elevar-se, pois tanto se pode quanto se quer, e tanto se quer quanto se sabe. (L 9). SÃO JOSE MARELLO

Mateus 23,13-22

– Ai de vocês, mestres da Lei e fariseus, hipócritas! Pois vocês fecham a porta do Reino do Céu para os outros, mas vocês mesmos não entram, nem deixam que entrem os que estão querendo entrar.
– Ai de vocês, mestres da Lei e fariseus, hipócritas! Pois vocês exploram as viúvas e roubam os seus bens e, para disfarçarem, fazem longas orações! Por isso o castigo de vocês será pior!]
– Ai de vocês, mestres da Lei e fariseus, hipócritas! Pois vocês atravessam os mares e viajam por todas as terras a fim de procurar converter uma pessoa para a sua religião. E, quando conseguem, tornam essa pessoa duas vezes mais merecedora do inferno do que vocês mesmos.
– Ai de vocês, guias cegos! Pois vocês ensinam assim: “Se alguém jurar pelo Templo, não é obrigado a cumprir o juramento. Mas, se alguém jurar pelo ouro do Templo, então é obrigado a cumprir o que jurou.” Tolos e cegos! Qual é mais importante: o ouro ou o Templo que santifica o ouro? Vocês também ensinam isto: “Se alguém jurar pelo altar, não é obrigado a cumprir o juramento. Mas, se jurar pela oferta que está no altar, então é obrigado a cumprir o que jurou.” Cegos! Qual é mais importante: a oferta ou o altar que santifica a oferta? Por isso, quando alguém jura pelo altar, está jurando pelo altar e por todas as ofertas que estão em cima dele. Quando alguém jura pelo Templo, está jurando pelo Templo e por Deus, que mora ali.
” 

Meditação:

No Evangelho de hoje lemos as três primeiras das sete maldições, com as quais Jesus deixa bem claro a sua oposição ao ensino tradicional dos escribas e à crença adulterada dos fariseus, mais baseado nas tradições dos homens do que na doutrina de Deus.

Os escribas, ou seja, os intérpretes e catequistas da Lei, e os fariseus, um grupo de observantes rigorosos e muito ligados ao cumprimento formalista e exterior da mesma, e que por outro lado são freqüentemente objeto de graves invectivas da parte de Jesus, não por eles cumprirem a Lei, mas por não lhe entenderem o espírito, e até por guiarem os outros por esse caminho errado.

É preciso que diante das tentações, comportarmos como homens e mulheres fortes e combatermos com a ajuda do Senhor nos tornamos mais do que vencedores.

Se cairmos no pecado, não permaneçamos nele, desencorajados e abatidos. Humilhemo-nos, mas sem perder a coragem; abaixemo-nos, mas sem nos degradarmos; vertamos lágrimas sinceras de contrição para lavar as nossas imperfeições e as nossas faltas, mas sem perdermos a confiança na misericórdia de Deus, que será sempre maior que a nossa ingratidão. Tomemos a resolução de nos corrigirmos, mas sem presumirmos de nós mesmos, pois só em Deus devemos colocar a nossa força. Enfim, reconheçamos sinceramente que, se Deus não fosse a nossa couraça e o nosso escudo, a nossa imprudência nos teria levado a cometer toda a espécie de pecados.

Não nos espantemos com as nossas fraquezas. Aceitemo-nos tal como somos; corramos das nossas infidelidades para com Deus, mas confiemos n’Ele e nos abandonemos tranquilamente a Ele, como uma criança nos braços da mãe.

Percorramos todas as épocas e veremos que, de geração em geração, o Mestre ofereceu a possibilidade de conversão a todos quantos queriam voltar-se para Ele. Noé pregou a conversão, e aqueles que o escutaram foram salvos. Jonas anunciou aos Ninivitas a destruição que os ameaçava; eles arrependeram-se dos seus pecados, apaziguaram a Deus e apesar de Lhe serem estranhos alcançaram, por suas súplicas, a salvação.

Por sua vontade onipotente Deus quer que todos aqueles a quem Ele ama participem da conversão. É por isso que devemos obedecer à Sua magnífica e gloriosa vontade.

Imploremos humildemente a Sua misericórdia e a Sua bondade; confiemo-nos à Sua compaixão abandonando as preocupações frívolas, a discórdia e a inveja que só conduzem à morte.

Permaneçamos humildes, meus irmãos, rejeitemos todos os sentimentos de orgulho, de jactância, de vaidade e de cólera.

Agarremo-nos firmemente aos preceitos e aos mandamentos do Senhor Jesus, tornando-nos dóceis e humildes diante das Suas palavras. Eis o que diz a Palavra sagrada: Para quem voltarei o meu olhar, senão para o homem humilde, pacifico que teme as minhas palavras?

Reflexão Apostólica:

Falar do evangelho de hoje é falar dos falsos profetas que, como os mestres da Lei e fariseus hipócritas, muitas vezes não conseguem passar pela porta estreita do Reino dos Céus e mais do que isto, arrastam consigo aqueles que tinham intenção, ou ao menos a esperança, de passar por esta porta.

O Reino dos Céus é algo desejado por todos os cristãos, mas só é possível vislumbrá-lo quando agimos com atitudes merecedoras de tamanha recompensa: amor, mansidão e paz.

Ai daqueles que resgatam vidas para Cristo, mas, antes mesmo que estas estejam plenamente enraizadas no verdadeiro amor, as tornam iguais a si nos falsos testemunhos, falsas palavras e falsas atitudes.

Não por desconhecerem as palavras de Deus ou o amor do Cristo, mas por estarem cegos diante dos “ouros e tesouros” da vida.

Desta forma, estas pessoas ao invés de guiarem os amigos para os caminhos de Cristo, os arrastam para os interesses mundanos, disfarçados por uma bela capa e de santidade. De que vale encantar-se pela imagem, entretanto não ser capaz de valorizar o interior das pessoas.

Afinal, o que no fim das contas resta? “Insensatos e cegos! O que vale mais: o ouro ou o Templo que santifica o ouro?” “Cegos! O que vale mais: a oferta, ou o altar que santifica a oferta?” O que fornece mais beleza a imagem exterior é a força e potencialidade que emana do ser, da alma do interior. De que vale valorizar o ouro e perder o Reino dos Céus?

Seja este reino um verdadeiro amigo, uma família amorosa, um trabalho gratificante, um filho saudável… e tudo que possamos imaginar de bom que o dinheiro não pode comprar!

Propósito: Vou demonstrar pela vida que o amor de Deus se revela pela corência e no amor ao próximo.


Categorias

%d blogueiros gostam disto: